Jornalismo desportivo, um prémio e um exemplo a seguir (às vezes)

CNID LogotipoO CNID – Associação dos Jornalistas de Desporto decidiu atribuir o Prémio CNID 2008 na categoria rádio à equipa de desporto da Rádio Santiago. Uma emissora local que integra o Grupo Santiago, da qual já aqui falei, na altura em tom crítico. Desta vez (e porque é preciso ser justo), será em tom de elogio.

Como se trata de uma emissora local, nem todos perceberão o alcance e as razões deste prémio. A equipa de desporto da Rádio Santiago lutou (como poucos dos seus colegas o fazem) pela liberdade de expressão e pelo direito à informação quando sentou o antigo presidente do Vitória de Guimarães, Pimenta Machado, no banco dos réus. Levou à Justiça as atitudes discricionárias de Pimenta Machado, que proibia sistematicamente aqueles profissionais de fazerem o seu trabalho, só porque entendeia que o jornalismo feito por aquela casa lhe era adverso.

Convém lembrar a discriminação a que foram sujeitos quando esse antigo dirigente os obrigou, meses a fio, a relatar jogos do Vitória de Guimarães nas bancadas, fizesse chuva ou sol, impedindo-os de trabalharem, como todos os outros, nos lugares de imprensa. Foram perseguidos, achincalhados, negaram-lhes as condições mínimas de trabalho, mas não se calaram nem se deixaram ficar.

É uma rádio perfeita? Com certeza que não. Fazem bom jornalismo? Nem sempre. São parciais (nos relatos, nas peças que escrevem para o jornal Desportivo de Guimarães), bairristas, sofrem de clubite, são vitorianos assumidos. São “culpados” dos mesmos erros da “grande” imprensa nacional desportiva, das rádios nacionais. Mas batalharam contra o quero-posso-e-mando de um homem do futebol que foi (e é) apenas um caso entre muitos da bola lusa. Lutaram, e venceram. Defenderam o ganha-pão de todos os jornalistas, o direito à informação. Algo que muitos jornalistas e órgãos de comunicação de grande difusão metem no bolso por dá cá aquela palha. Como disse, o desporto da Rádio Santiago não é perfeito. Mas a distinção do CNID é justa e merecida, e o (bom) exemplo deveria ser seguido.

Aviso aos leitores: Ando ocupado com a redacção de uma tese de mestrado ‘à Bolonha‘, tarefa que me tem deixado pouca disponibilidade mental para actualizar o blogue. Suspeito que o mês de Maio irá pelo mesmo caminho, até que a tese esteja pronta.  

Post de 1 de Abril

New Google Search Tool can look into the future: “A new Google program powered by artificial intelligence allows internet users to search web pages 24 hours before they’re created, the company said today.
0596330900.jpg
MAIS DO MESMO: 

 

 

 

Verdade ou consequência?

cartaz1.jpg

Um título que é um jogo, num evento para levar a sério. Hoje, a partir das 9h30, há Jornadas de Ciências da Comunicação, na Universidade do Minho, em Braga. É a 11.ª edição das jornadas, com um programa de dois dias e diversos pontos de interesse.

Destaco a apresentação do livro “O Jornalista em construção”, de Joaquim Fidalgo, professor universitário e jornalista que dispensa apresentações. A obra baseia-se na tese de doutoramento que o autor defendeu em Janeiro de 2007, com o título “O lugar da ética e da auto-regulação na identidade profissional dos jornalistas”. Mais sobre o lançamento do livro aqui. Quanto às conferências:

Hoje, 

Sessão de abertura
Moisés Martins, Presidente do Instituto de Ciências Sociais
Felisbela Lopes, Directora do 1º ciclo de Ciências da Comunicação
Manuel Pinto, Director do 2º ciclo de Ciências da Comunicação
Cláudia Lomba, Presidente do GACSUM

10h30 – O Jornalismo é manipulação?
Carlos Rodrigues Lima, Jornalista do Expresso
José Pedro Marques Pereira, Jornalista da RTP
Manuel Carvalho, Director-adjunto do Público
Paulo Baldaia, Director da TSF

Apresentação do livro  “O Jornalista em Construção”, de Joaquim Fidalgo

14h00 – Realidade ou cosmética nas empresas
Alexandre Silva, Comunicação Corporativa – Bosch
Carlos Liz, Director geral da APEME
José Menezes, Director de Comunicação da leYa
Júlia Costa, Coordenadora de eventos – Solinca/Sonae

 

17h00 – Desenvolvimento de Videojogos e Ambientes Interactivos
Diogo Andrade, Director Criativo e de Tecnologia da Spellcaster Studios

Filipe Pina, Produtor de jogos da Seed Studios

Ivan Franco, Director de I&D da YDreams

Nelson Calvinho, Director da revista de jogos Hype!

À noite, na sede da Velha-a-Branca, em Braga: exibição de curtas-metragens do Take One! – Festival de Curtas de Vila do Conde

Amanhã, 2 de Abril

9h30 – Pós-Produção ou Efeitos Visuais
Diogo Valente, Director Criativo da Dreamlab
Luciano Ottani, Realizador da Showoff-Films

11h15 – A marca “Portugal”
Carlos Coelho, Presidente da Ivity Brand Corp;
Francisco Coelho, Docente do IPAM
Henrique Agostinho, Director de marcas da Sonae Sierra

14h30 – Novo perfil do profissional de comunicação
André Rabanea, Director da Torke Stunt Marketing Estratégico
Pedro Almeida, Director do Mestrado Comunicação e Multimédia da Universidade de Aveiro

16h30 – As consequências do curso: ex-alunos
Adelina Cabral, Relações Públicas da IMAGO
Hélder Beja, Jornalista do Semanário Sexta
Lina Vilela, Gestora de contas da LOWE
Madalena Barbosa, Directora editorial da Esfera das Ideias
Sara Antunes Oliveira, Jornalista da SIC
Telmo Dourado, Editor de conteúdos da RTP

 

Noite na Velha-a-Branca
Ex-alunos contam os bastidores do estágio e peripécias da profissão

 

Mais informações no blogue do Grupo dos Alunos de Comunicação Social da UM, que organiza, como de costume, o evento. O blogue promete fazer uma cobertura das jornadas.

PUBLICO.PT abre-se à blogosfera

As notícias do PÚBLICO na Internet passam a ter ligação directa para os blogues que as comentam.(…)” Os jornais online (ainda) mexem e o extraordinário desempenho do PÚBLICO.PT nos últimos meses, no que se refere à participação dos leitores, acaba por ter agora uma espécie de desenvolvimento muito interessante – o jornal online abre-se à blogosfera. Para o trâfego dos bloggers, é uma proposta atraente. Para o jornal, pode ser tão ou mais positivo. 

Não conheço a ferramenta (Twingly) que oferece os trackbacks dos blogues no PÚBLICO.PT. E para já o jornal não adianta se há moderação dos links (como há por exemplo com os comentários dos leitores). Esperemos por isso que daqui a uns tempos o jornal não volte atrás, vergado ao peso da falta de qualidade dos blogues que passam a estar disponíveis directamente a partir do PÚBLICO.PT.

Outro jornal que mexeu na sua versão online foi o Correio da Manhã . Não foi a 19 de Março, conforme escrevi aqui há dias levado por uma informação que me chegou via mail, mas foi dois dias depois e o resultado já está à mostra. Mexeu-se mais no design do que no conteúdo ou na estrutura (digo eu, que não sei se o jornal já usava o PRAGMA – salvo erro, usado como gestor de conteúdos também pelo EXPRESSO) e ao contrário do que foi prometido pelo director do CM, a introdução do vídeo parece ter ficado para segundas núpcias. Se calhar ainda volto a este tema…

PS: Para acabar com a má-lingua vale tudo

AR: PS quer proibir colocação “piercings” na língua.

Que influência teve a Internet nas eleições espanholas?

(…) no me parece que internet haya conseguido movilizar a los ciudadanos. No obstante, la influencia de la red y del resto de medios de comunicación, se proyecta en la clara bipolarización del resultado (…)

 

José Luís Orihuela, eCuaderno, aqui, num post absolutamente essencial:

Han ganado los partidos en su empeño de polarizar el debate, de sustraerlo de la confrontación con periodistas independientes y de hacer creer a alguna gente que el proceso discurría por los cauces de la web social. Los políticos no han escuchado la conversación de la red, o no han querido o sabido formar parte de ella. Se pidió un debate ciudadano en internet y se obtuvo un simulacro de participación (…)

(negritos meus)

Novos projectos, mudanças, alterações

Algumas novidades, outras nem tanto:

  • Dei uma arrumação à página Olimpo, que exerce as funções de blogroll. Saíram blogues declarados mortos, entraram outros.
  • A culpa é sempre dos jornalistas é um blogue de Luísa Teresa Ribeiro, que acrescentei ao Olimpo. Da mesma autora, em conjunto com Pedro Costa (Rádio Clube do Minho) e Pedro Antunes Pereira (JN), é o blogue Trio de Rachar, que também passa a dispor de uma ligação.
  • Hélder Beja e Hugo Torres, juntos, em Húmus. Um novo projecto com Raul Brandão? Sim, tomem mais: “Sob estas capas de vulgaridade há talvez sonho e dor que a ninharia e o hábito não deixam vir à superfície. Afigura-se-me que estes seres estão encerrados num invólucro de pedra: talvez queiram falar, talvez não possam falar.” 
  • O João Paulo Meneses mudou o Blogouve-se para a rede TubarãoEsquilo e aproveitou o momento para se lançar num domínio próprio. Com novo visual está o Certamente! do Paulo Querido (parabéns, está muito bom) e o Ponto Media do António Granado (gosto do novo template, embora estranhe os links com um traço acima da palavra em vez do tradicional sublinhado).
  • Há uns dias, o Daniel Oliveira elegeu o blogue Café Toural como melhor blogue de Guimarães, e fez menção ao Colina Sagrada e ao Prometeu. Nos dois primeiros casos, parece-me uma escolha acertada. Já a menção honrosa ao Prometeu é exagerada, dado que poucos assuntos locais/regionais são aqui tratados. Ainda assim, agradeço a referência do Arrastão, como convém.