Category Archives: Idiossincrasia

Quem tem medo da língua do vizinho?

 tabaco1.png

ga-lego1.pngNunca é demais lembrar os vizinhos. A história deles confunde-se com a nossa. Qualquer sociólogo justificará – todo o homem nasceu para ser vizinho. E a religião, pelas últimas notícias que tenho tido, não pregará coisas diferentes. 
Por agora, dou atenção a La Fuga/Saga de J.B., de Torrente Ballester. Autor galego (e espanhol também, por supuesto) que tento pela primeira vez. E numa edição em castelhano, que mãos amigas me enviaram desde Santiago de Compostela (obrigado Zé e Monica!). E um abraço a este menino, que anda pelas mesmas terras. 

(Imagens via Aduaneiros sem Fronteiras)

Anúncios

TV Esperança

Earl Hickey (Jason Lee) 
My Name is Earl, semanalmente, um episódio de uma sitcom sempre em busca do karma certo. História de um bandalho que decide mudar de vida depois de conquistar 100 mil dólares na lotaria.

Produto americano, oriundo da NBC, cuja primeira série está em exibição por cá. A série fartou-se de ser nomeada para prémios, alguns dos quais ganhou.

Sempre na 2:, depois das notícias da noite (e da extracção do totoloto…).

Post necessariamente curto para não perder o episódio de hoje (link para Earl na 2:)

A máquina acordou

É a notícia do ano! Milhares de velhas t-shirt’s e camisolas com um Che Guevara estampado vão, em breve, sair do armário. A convocatória para esta inédita acção foi publicada hoje (também) no JN…    😉

A primeira (e para já única) manifestação realiza-se no vale de Coachella, Califórnia, Estados Unidos, a 29 de Abril de 2007. O dia do orgulho da t-shirt com o ícone da Revolución  está a dividir os analistas. Assumem que não há nenhuma relação directa entre o regresso dos Rage Against the Machine aos palcos e a iminência da morte de Fidel Castro. Mas admitem que a raiva cuspida pela máquina pode gerar uma verdadeira pandemia. “Imagine o que seria do mundo se agora todos os cantores e músicos começassem a alertar para a falta de liberdade nas nossas vidas”, declarou fonte diplomática ligada ao G7.

Outros observadores internacionais já sublinharam que a saída à rua de milhares de camisolas empoeiradas, com cheiro a mofo, rasgadas e esquecidas, pode desencadear profundas alterações políticas no horizonte próximo.

“De cada vez que Tom Morello toca numa corda de guitarra, há no mundo um fascista que morre”, explica um membro do Wake Up, um think tank internacional que se dedica ao estudo e mapeamento de famílias em risco.

“A direita já sofreu bastante com esta banda. Enquanto a máquina foi cuspindo raiva, os republicanos americanos nunca chegaram ao poder”, lembra.

Para ouvir e ver por que é que os
Rage Against the Machine são
considerados terroristas… Continuar a ler

Café com R.U.M.

Bom dia! [Post iniciado às 18h51]

Ainda com as ideias ensonadas (…acabo de acordar) estou de regresso, sempre a tempo de aliviar a pressão que ultimamente caiu em cima de mim. A época de exames não dá descanso. De manhã, lá fui fazer mais um. Exigente, bastante exigente. Outra coisa não seria de esperar do professor responsável pela cadeira (curiosamente, no Lábios de Silêncio há três amigos que hoje falam dele, num post motivado por outras razões, mas que subscrevo sem tirar nem pôr).

Saí exausto do anfiteatro. Mas não derrotado. E no fim, arrastei-me como pude para casa, almocei e adormeci quase sem pestanejar. Já são muitos dias a dever horas à cama. E para esta etapa, tudo culminou com uma conveniente noite em branco. Foi (mais uma) directa, suportada graças a uma rigorosa dieta: (muito) café (…muito mesmo), com R.U.M. Não é café com RUM (ou Rum), é café com R.U.M., porque falo desta minha inseparável  e bela companheira de todos os dias. Que esta noite me proporcionou mais uma noite memorável. Melómanos, a emissão está online. E há-de continuar imprescindível.
Continuar a ler

Aritmética da Motivação

Sou um procrastinador. Pensava eu que era coisa psicológica. De carácter.
Mas, eis a reviravolta: na Scientific American, este texto de ontem, diz-me que pode ser uma questão de aritmética: 

U = E x V / I x D

Em que:
U = Vontade de completar uma tarefa
E = expectativa de sucesso
V = valor da execução (a retribuição)
I = prazo de concretização da tarefa
D = sensibilidade pessoal ao atraso

Por exemplo, a vontade (U) que tenho de acabar este post resulta da minha autoconfiança nas minhas aptidões para o escrever até ao fim (E) e da retribuição (V) que dessa tarefa retiro, em relação ao prazo de concretização (I) e à minha sensibilidade ao atraso (D). Portanto, é alguma coisa vezes alguma coisa a dividir por todo o tempo do mundo vezes toda a preguiça que consigo.  Q.E.D.